Live: O Corpo em Película: Helena Capturada na Tela

Olá pessoal! Amanhã realizaremos nossa segunda live: “O Corpo em Película: Helena Capturada na Tela”, com a Profa. Dra. Maria Cecília de Miranda Nogueira Coelho!

Será as 19h00 e é só acessar o link abaixo ou nosso canal do Youtube! Tá todo mundo convidado!

Entrevista com Maria Cecília de Miranda Coelho

Maria Cecília de Miranda N. Coelho é professora do departamento de Filosofia na Universidade Federal de Minas Gerais. Atualmente pesquisa principalmente os temas Retórica grega; Teoria das emoções em Platão e Aristóteles, Recepção do teatro grego no Cinema e da cultura greco-romana nos Sermões do Padre Antonio Vieira.

Maria Cecília de Miranda Coelho (Foto: acervo pessoal)


Quando você decidiu que queria estudar o mundo antigo? Como foi esse processo?

Quando terminei a graduação em Filosofia, na UnB, fui dar aulas na Faculdade Católica de Brasília, e umas das disciplinas era um Seminário. Escolhi ler a República, de Platão. Embora tivesse admiração pela antiguidade, em parte motivada pelo professor Eudoro de Sousa, de quem, ainda que por pouco tempo, fora aluna, eu havia feito uma monografia final de graduação sobre Matemática e Lógica em Galileu (minha primeira graduação foi em matemática) e havia me dedicado mais a temas em História e Filosofia da Ciência. Senti enorme falta de conhecer melhor a cultura e principalmente, o teatro grego, para entender melhor a grande obra de Platão. Retornei à UnB, como ouvinte, para fazer disciplinas de literatura dramática grega. Ali redigi um texto: “Medeia, o silêncio ético de Aristóteles”, trabalho que a professora, Ana Vicentini, me incentivou a submeter ao congresso da Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos, de 1991, na UFMG.  Minha comunicação foi não apenas bem recebida – em particular com um comentário positivo e que muito me estimulou, do Prof. François Jouan -, mas também publicada no volume da Clássica, de 1992. Decidi ir para USP fazer um mestrado sobre Eurípides e Górgias e, desde então, vivo entre gregos e bárbaros, dramaturgos e filósofos.

Quais são os seus livros favoritos? (antigos ou contemporâneos sobre os antigos). 

Difícil escolher, mas lhe direi meia-dúzia: Agamêmnon, Medeia, Odisseia, Fedro, Metafísica. Dos modernos, dois que mudaram o rumo de minha pesquisa: Intellectual Experiments of the Greek Enlightenment, do Friedrich W. Solmsen e Classics and Cinema, do Martin M. Winkler.

Quais são os seus temas atuais de pesquisa? 

Retórica grega; Teoria das emoções em Platão e Aristóteles, Recepção do teatro grego no Cinema e da cultura greco-romana nos Sermões do Padre Antonio Vieira.

O que você deseja pesquisar no futuro? Algum tema em especial? 

Os mesmos temas que venho pesquisando, acrescentando teoria da imagem na antiguidade (o que envolve temas em arqueologia, que venho estudando nos últimos anos). Como respondeu Sócrates a Cálicles, quando esse disse que aquele sempre falava as mesmas coisas: “sempre o mesmo acerca do mesmo”. 

Existe algum lugar que marcou a sua relação com o mundo greco-romano/antigo? Qual? 

Sim, a antiga Colina, residência dos professores da UnB. Lembro-me da primeira vez em que fui até lá, visitar o Prof. Eudoro de Sousa, criador do Centro de Estudos Clássicos (CEC) da UnB, com um amigo e professor, Gilson Sobral, contemporâneo de Ordep Serra. A biblioteca do Eudoro era complementar à do CEC (foi comprada, após seu falecimento, pela UnB e sinto orgulho de ter ajudado nesse processo; infelizmente os livros dele foram colocados em áreas separadas, e não ficaram no CEC). Ouvir o Prof. Eudoro falar sobre Dioniso, Creta e Heráclito foi muito marcante, e desde então, a conselho dele, venho tentando resistir na arena (ainda que, como disse o Oswald de Andrade, “a cada combate, mais rasgada fica a capa”) e “pegar o touro pelos chifres”.

Qual é o seu personagem (ficcional ou não) favorito do mundo clássico/antigo? Por que? 

Ícaro, por desejar e desobedecer.

E, para finalizar, qual grego ou romano você chamaria pra um café? Sobre o que conversariam? 

Platão (mas em vez de café, mastiha). Eu teria umas perguntinhas sobre Górgias e outros sofistas.